9 de out de 2011


O que leva uma pessoa deixar tudo pra trás e viver sem destino, longe da família, sem um trabalho fixo, muitas vezes dependendo da solidariedade de estranhos?


As explicações podem ser muitas, ou nenhuma, ou talvez ainda, seja apenas um estilo de vida. Um desses casos passou por Currais Novos, neste final de semana. Antonio Rogério do Nascimento é o nome dele. Natural de Corumbá/MS, Neguinho do Asfalto, como gosta de ser chamado, passa o dia em cima de duas rodas percorrendo em média 150 quilômetros diariamente.


Desde o dia 1º de fevereiro 1992, ele vem desbravando estradas em todos os estados brasileiros e em alguns países. Já conheceu a Argentina, Chile, Paraguai, Uruguai, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana Francesa, Suriname, Guatemala, México e Angola . O motivo segundo ele, uma promessa. Depois de ter nascido com um grave problema de saúde e de ter passado os primeiros 13 anos de vida dentro de hospitais, ele prometeu que se conseguisse sobreviver passaria 30 anos viajando de bicicleta, e é isso que faz.”Com ajuda dos meus amigos comprei uma bicicleta”, disse.


19 anos depois da primeira pedalada e milhares de quilômetros percorridos, Neguinho enfrenta outros desafios que não se resume só ao esforço físico. A violência nas estradas quase o fez desistir. No momento mais difícil, segundo ele, foi na cidade potiguar de Mossoró, que para defender a fiel companheira de aventura de ser levada por ladrões tomou uma facada. “Me roubaram o celular, 150 reais e todos os meus documentos, passei 3 meses em Mossoró para me recuperar”, falou. E não foi a primeira vez, ele lembra que em São Paulo também tomou um tiro.


Mas as imagens que o impressionaram foram em Angola. Com ajuda da embaixada brasileira, ele conseguiu visitar o país africano. “É muito triste, vi crianças morrendo de fome, sem ter o que comer, e isso me entristece muito porque eu também já passei por isso”, lembra.


Devoto de Nossa Aparecida e predestinado a cumprir a promessa, ele diz que muitas pessoas o ajudam nos lugares por anda passa, mas isto está longe de ser uma regra. “Minha principal dificuldade é com alimentação, tenho uma barraca e posso armar em qualquer lugar, mas a comida nem sempre eu consigo, já sofri muito preconceito, uma vez me confundiram com ladrão e chamaram a polícia”, diz.


Mas nem tudo é notícia ruim. Neguinho já conheceu vários lugares de belezas ímpares. “Mas o que me deixa feliz é quando me param para conversar, alguns me reconhecem de matérias veiculadas na imprensa e me ajudam com dinheiro para alimentação, tem muita gente boa, e assim vou levando a vida”. Ele explica que os principais companheiros nessa aventura são os caminhoneiros que o ajudam com a alimentação. “Maior parte da minha alimentação são os caminhoneiros que me dão”.


A data para o término da aventura e o pagamento da promessa ele já tem: 8 de fevereiro de 2022. “Quero encerrar no Canadá ou no Haiti, ainda não sei bem”, diz. Após o feito pretende virá escritor. Segundo ele, uma editora já tem interesse em publicar as suas aventuras, que são registradas em seu caderno de bordo, e a obra já tem nome: “A vida de um andarilho”. Neguinho ainda quer entrar para o Guinness, como o homem que mais andou de bicicleta no mundo. Pra isso ele guarda os comprovantes e declaração em todas as cidades que passa, o que já aconteceu algumas dezenas de milhares de vezes.


Assim é a vida deste baixinho de sorriso fácil, que não está muito preocupado com a vida, apenas em cumprir a sua promessa e ser feliz. Percorrendo as estradas em cima de sua inseparável bicicleta, com uma bandeira do Brasil de companhia, você pode encontrá-lo por ai. Difícil mesmo é não gostar dessa figura.

Texto retirado do Website: www.cnagitos.com

Se existisse mais pessoas como o Neguinho do Asfalto, com certeza o mundo seria muito melhor, uma cara extremamente humilde e cheio de fé, tendo como objetivo de vida cumprir a promessa que fez, qual seja, pedalar pelo mundo durante 30 anos.

Andreges Meller Alievi
Diretor Esportivo da ACIB

Um comentário:

  1. Boa tarde!
    Há que dar valor a uma pessoa como o sr. Antonio do Nascimento, o qual vai dando uma lição de fé , força mental e coragem para empreender uma viagem assim.Esse clcloturista prova que com uma bicicleta se pode ir para onde se queira. Acho que deve haver poucas pessoas que não ajudem no que possam uma pessoa assim, a todos os que o ajudam e têm ajudado um bem haja.
    Um abraço a todos desde Portugal e boas pedaladas

    ResponderExcluir